Brasil vai testar método para impedir mosquito de transmitir a dengue

26/09/2012 at 1:04 PM Deixe um comentário

Do G1 RJ

Técnica criada na Austrália injeta bactéria no ‘Aedes aegypti’. Inseto então deixa de passar a doença às pessoas, informa Fiocruz.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou nesta segunda-feira (24) que vai testar no Rio de Janeiro um novo método de controle da dengue, inédito no país.

O projeto “Eliminar a Dengue: Desafio Brasil” vai usar bactérias do gênero Wolbachia, que impedem que o mosquito Aedes aegyptitransmita o vírus da doença.

A técnica foi desenvolvida na Austrália. Por meio de microinjeções, os ovos dos mosquitos transmissores da dengue são contaminados com a bactéria. Ela compete por nutrientes com o vírus, e leva a melhor, impedindo que a dengue se desenvolva no mosquito e, consequentemente, que ela seja transmitida ao ser humano.

Mosquitos Aedes aegypti, transmissores do vírus da dengue (Foto: Agência Brasil)

A bactéria é típica dos invertebrados e encontrada em 70% dos insetos do mundo, como borboletas e pernilongos. O Aedes aegypti não está nesse grupo.

As fêmeas infectadas com a Wolbachia sempre geram filhotes com a bactéria na reprodução. No cruzamento, não importa se o macho possui ou não o micro-organismo. Caso um macho contaminado cruze com uma fêmea sem Wolbachia, os óvulos fertilizados morrem.

A ideia é, em um prazo ainda indefinido, soltar fêmeas com a bactéria para que elas se reproduzam com machos que tenham o vírus da dengue e, progressivamente, ir contaminando ao máximo a população do inseto. Dessa maneira, haveria cada vez menos mosquitos capazes de transmitir a doença.

Segundo o responsável pelo projeto, o pesquisador da Fiocruz Luciano Moreira, o método é seguro para os seres humanos.

“A técnica é bastante segura porque essa bactéria nunca foi encontrada em vertebrados. Pernilongos têm Wolbachia e nós já somos picados por eles. A bactéria é intracelular, vive dentro da célula, e é muito grande para sair junto com a saliva do mosquito. Quando o mosquito morre, ela morre também”, afirmou o pesquisador.

Como informou a Fiocruz, em testes de laboratório foi possível infectar populações inteiras de mosquitos em dois meses. Na Austrália, já foram soltos insetos com bactérias Wolbachia na natureza, após consulta à população.

De acordo com a Fiocruz, no Brasil também só se chegará ao passo de soltar o Aedes aegypticom Wolbachia depois de fazer uma consulta popular. Se tudo ocorrer como o previsto e a iniciativa for aprovada, informa a fundação, isso poderia acontecer em 2014, para que em 2015 se avaliem os resultados da estratégia.

O programa já exportou a técnica para outros países que sofrem com a dengue, como Vietnã, Indonésia e China.

Surpresa dos pesquisadores
Inicialmente, a ideia de infectar os mosquitos com a bactéria era reduzir o tempo de vida do mosquito da dengue, que é, em média, de 30 dias. A cepa de Wolbachia encontrada na “mosca-da-fruta” (Drosophila melanogaster) reduziria a sobrevida do Aedes aegypti.

Assim, o inseto teria menos tempo para passar a doença ao homem. No entanto, os estudos apontaram que a bactéria também impediria o mosquito de transmitir a doença, o que permitiu o desenvolvimento desse método australiano.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

‘Caçadora’ de energia escura, câmera mais poderosa do mundo faz primeiras imagens Aranhas ‘decoram’ teias para fisgar mais presas, diz estudo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: