Cientistas sequenciam genoma de hominídeo extinto da Ásia

31/08/2012 at 1:26 PM Deixe um comentário

Do G1, em São Paulo

Homem de Denisova viveu há cerca de 40 mil anos. Existência da espécie foi descoberta em 2010.

 

Cientistas publicaram nesta quinta-feira (30) os resultados da análise do genoma de um hominídeo que viveu na Ásia há cerca de 40 mil anos. O estudo traz mais informações sobre o modo como os ancestrais do ser humano e outras espécies da mesma família se espalharam pelo planeta naquela época.

O homem de Denisova foi descoberto em 2010 por uma equipe liderada por Svante Pääbo, do Instituto de Antropologia Evolucionária, em Leipzig, na Alemanha. Denisova é o nome da caverna onde ele encontrou o pedaço de um dedo de uma garota pertencente à espécie, até então desconhecida. Essa caverna fica no sul da Sibéria, na Rússia.

Osso da menina da espécie de Denisova, comparada com a mão de um humano moderno (Foto: Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva)

Desse pedaço de dedo, Pääbo retirou o DNA para análise do genoma. A pesquisa publicada pela revista “Science” compara esse material ao de humanos modernos de diferentes origens étnicas, e também ao do homem de Neandertal, um hominídeo que viveu na Europa na mesma época em que o Denisova.

A pesquisa confirmou os resultados de um estudo anterior, que mostravam traços genéticos do homem de Denisova em populações nativas da Oceania e do Sudeste Asiático. No leste da Ásia e na América do Sul, os nativos são mais próximos do homem de Neandertal.

Só com o material genético da garota, os cientistas conseguiram perceber as diferenças entre os cromossomos que vieram da mãe e do pai. A partir daí, eles conseguiram ter uma noção da variedade genética da espécie.

A pesquisa concluiu que a variedade de genes dos humanos modernos é bem maior do que a do homem de Denisova. Isso demonstra, segundo os autores, que essa espécie se expandiu rapidamente por uma grande área de terra.

Outro mérito do estudo foi descobrir cerca de 100 mil alterações do genoma humano que aconteceram depois que humanos modernos e homens de Denisova se separaram na evolução.

“Essa pesquisa vai ajudar a determinar como as populações de humanos modernos se expandiram dramaticamente em tamanho e complexidade cultural, enquanto os humanos arcaicos vieram a definhar e se tornaram fisicamente extintos”, afirmou Pääbo.

Entrada da caverna Denisova, na Rússia (Foto: Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva)

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Astrônomos acham açúcar ao redor de estrela jovem pela primeira vez Nasa lança sondas para estudar radiação em volta da Terra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@programapaideia

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: