‘Jeitinho brasileiro me ajudou’, diz executivo de missão da Nasa

09/08/2012 at 2:25 PM Deixe um comentário

G1 – Da BBC

Há quase 30 anos na agência, Ramon de Paula comemora chegada de jipe-robô a Marte.

Natural de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, e trabalhando na Nasa há quase três décadas, Ramon de Paula, de 59 anos, é um dos três brasileiros envolvidos na missão da agência espacial americana que levou o jipe-robô Curiosity a Marte nesta semana.

Vivendo nos Estados Unidos desde os 17 anos, o engenheiro é um dos executivos nas missões de Marte no quartel-general da Nasa em Washington. Como um dos chefes desses programas, tem entre suas principais atribuições resolver problemas técnicos e burocráticos.

Ramon de Paula, brasileiro da missão Curiosity (Foto: BBC)

Ele comemorou o sucesso da missão Mars Science Laboratory quando o jipe-robô Curiosity tocou o solo do ‘planeta vermelho’ na última segunda-feira.

“Foi um alívio, um momento muito, muito emocionante”, diz De Paula, em entrevista à BBC Brasil.

“Tivemos algumas questões nas últimas três semanas, mas não poderíamos mais adiar a descida”, acrescenta. “Foi uma sensação de dever cumprido, de ter ultrapassado dificuldades e momentos de muita pressão. Foram US$ 2,5 bilhões, a missão para Marte mais cara até hoje.”

O brasileiro celebrou ao lado de mais de mil cientistas, engenheiros e técnicos envolvidos na missão, e disse que o momento de alegria fez valer a pena todo o esforço dos últimos anos. Além dele, mais dois brasileiros integram a missão: Jaqueline Lyra e Nilton Rennó.

“O ‘marco’ histórico dessa missão só vai ser conhecido daqui a cerca de dois anos, quando os dados científicos começarem a chegar”, afirma o engenheiro. “Mas hoje a chegada do Curiosity a Marte já representa um passo tecnológico muito importante para a humanidade.”

Para ele, que gerencia projetos que envolvem mais de 500 pessoas, o “jeitinho brasileiro” foi decisivo em sua carreira.

“Ser brasileiro definitivamente me ajudou”, afirma. “Minha função é achar solução para todos os problemas relacionados às missões, e tudo que aprendi no Brasil, aliado à nossa cultura foram fatores decisivos.”

“Meu mantra aqui é: sempre tem um jeito de resolver o problema. Nem todas as culturas têm essa flexibilidade diante de desafios”, acrescenta.

De Paula conta que precisa tomar decisões a todo momento. “São avaliações de risco, aspectos políticos, técnicos, financeiros e científicos das missões. Temos de responder ao Congresso americano e à Casa Branca, por exemplo, pois são eles que decidem nosso orçamento.”

Missão tripulada
O cientista brasileiro destaca que, de todas as missões, incluindo sondas e robôs, que já foram enviadas a Marte, esta é a mais sofisticada.

Trata-se da terceira vez vez que a Nasa envia equipamentos capazes de coletar, analisar e enviar resultados de amostras de rochas e materiais encontrados em solo marciano, porém o Curiosity é o mais avançado.

“O objetivo é procurar vestígios da vida, moléculas orgânicas, para determinar a habitabilidade do planeta. Marte foi um dia muito parecido com a Terra e hoje é muito diferente”, diz o engenheiro.

De Paula afirma ainda que o desafio da Nasa é enviar uma nave tripulada a Marte até 2030, para que um homem possa dar uma volta completa em torno do planeta e retornar à Terra.

Questionado sobre a possibilidade de vida fora da Terra, o brasileiro diz que “provavelmente não estamos sozinhos”.

“Seria muita arrogância pensar que, num universo tão imenso, só aqui existe vida, mas até hoje não sabemos”, diz. “Mas vamos ver o que a ciência nos mostra.”

Brasil
De Paula nasceu em Guaratinguetá e mudou-se aos sete anos para Pirassununga, também no interior de São Paulo. De lá foi para Washington, aos 17 anos, quando o pai foi selecionado para integrar a Comissão da Aeronáutica Brasileira na capital americana.

Dois anos depois, a família retornou ao Brasil, mas ele ficou e, após terminar o colegial, formou-se nos Estados Unidos. Em 1985, ingressou na agência espacial americana.

Casado desde 1974 e pai de dois filhos, só volta ao Brasil para visitar, mas mantém uma relação muito forte com sua terra natal, expressa até ao elogiar o programa espacial brasileiro.

“É muito importante o que o Brasil tem feito no setor espacial mundial”, avalia o engenheiro da Nasa. “Definitivamente o Brasil tem a capacidade de avançar seu programa espacial. Afinal, nós brasileiros damos um jeitinho para tudo.”

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Parto normal libera proteína que ajuda cérebro do bebê, diz pesquisa Traços exóticos da ‘partícula de Deus’ surpreendem físicos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: