CNPq lança edital para pesquisas e parcerias com África francófona

26/06/2012 at 1:38 PM Deixe um comentário

Estadão – Agência Brasil

Objetivo é estimular pesquisas de combate à desertificação na África, precisamente em regiões áridas e semiáridas

Para estimular pesquisas de combate à desertificação na África, precisamente em regiões áridas e semiáridas, um edital será lançado nesta quinta-feira, 21, pelo Brasil em parceria com a França e a Agência Pan-Africana da Grande Muralha Verde. O anúncio foi feito ontem, 20, em evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

O investimento será 1 milhão de euros em  pesquisas e projetos, visitas exploratórias à África e ao Brasil, além de  eventos para a transferência de tecnologia. A exigência é que os interessados integrem instituições ou sejam pesquisadores dos três países, explicou o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva.

Segundo ele, instituições brasileiras como as universidades federais da Bahia, do Ceará e de Pernambuco, por exemplo, já desenvolvem  pesquisas ou têm experiências no sertão brasileiro que podem ser replicadas na África. Entre elas estão a instalação de poços, o tratamento de água salobra, a gestão de produção animal e o aproveitamento da vegetação típica.

Oliva acrescentou que a parceria quer ir além, incentivando a vinda de estudantes africanos para cursos de mestrado e doutorado em diversas áreas. “As soluções buscadas para o semiárido não são simplesmente de irrigação, de levar água para a região seca. Isso passa pelo aproveitamento das características econômicas da região e não só o uso agriculturável da terra”, disse.

O edital é voltado para países africanos francófonos (de fala francesa), mobilizados desde 2010 pelo Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD). O representante do órgão no Brasil, Jean-Loup Guyot, explica que desde o seminário sobre desertificação organizado pelo Brasil em 2010, pesquisadores de instituições africanas, brasileiras e francesas demonstraram interesse na parceria.

“Estamos facilitando este primeiro momento Sabemos que o montante é pequeno e que as metas são ousadas. Mas é um início, um começo, que queremos fortalecer”, disse o francês.

Na avaliação do presidente do CNPQ, a despeito das semelhanças culturais entre o Brasil e a África, as diferenças linguísticas não devem atrapalhar. “É uma questão de dois ou três meses.  Somos todos falantes de línguas latinas. É preciso prática”.

Mariana Della Barba/AE

Experiências no sertão brasileiro poderão ser replicadas na África

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

‘Podemos encontrar planeta como a Terra antes de 2022’, dizem astrofísicos Hominídeos de três espécies conviveram na África, diz estudo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: