Estudo revela gripe aviária transmissível entre mamíferos

22/06/2012 at 1:59 PM Deixe um comentário

Folha – SABINE RIGHETTI, DE SÃO PAULO

A revista “Science” divulgou na quinta-feira (21), depois de meses de expectativa, os detalhes de uma pesquisa que tornou o vírus da gripe aviária transmissível entre mamíferos.

O artigo traz os resultados de um dos grupos de pesquisadores “censurados” no ano passado pelo governo americano. O país pediu que os estudos ficassem em segredo por temer que fossem usados no bioterrorismo. Um dos trabalhos já saiu na “Nature”.

No estudo divulgado agora, cientistas dos EUA, do Reino Unido e da Holanda mostram como modificaram geneticamente o vírus H5N1, que causa a gripe aviária, até torná-lo transmissível por via área em ferrets –mamíferos que têm sintomas da gripe semelhante a dos humanos.

Na sua “forma original”, esse vírus só é transmitido entre aves ou, raramente, de aves para seres humanos.

Os cientistas, coordenados por Ron Fouchier, do Centro Médico Erasmus, da Holanda, fizeram três mutações específicas no vírus e infectaram os ferrets em laboratório.

O vírus modificado ainda sofreu mais duas mutações — o que é comum, pois vírus são bastante instáveis, diferentemente de bactérias. Foi esse “novo” vírus que conseguiu migrar por via aérea dos ferrets contaminados para os sadios.

Editoria de arte/folhapress

O problema é que essas informações são um prato cheio para o bioterrorismo. A preocupação com uma possível guerra biológica levou à censura dos dados sobre a mutação em dezembro de 2011.

As pesquisas foram interrompidas e o debate chegou à OMS (Organização Mundial da Saúde), que pediu que a caixa-preta fosse aberta.

“Fazer mutações em vírus em laboratório para fins acadêmicos é completamente aceitável. Não podemos parar essas pesquisas por temor de bioterrosimo”, afirma o engenheiro agrônomo e especialista em bioética Mohamed Habib, da Unicamp.

“Agora, pesquisadores de todo o mundo poderão trabalhar com os dados da gripe aviária e aprimorar o conhecimento sobre o vírus, o que pode resultar em melhores medicamentos”, comemorou Bruce Alberts no editorial desta edição da “Science”.

RISCO DE PANDEMIA

De acordo com outro trabalho da “Science” sobre o mesmo assunto, de Derek Smith e colegas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, é impossível estimar com precisão a possibilidade de as mutações feitas em laboratório acontecerem naturalmente no ambiente.

Mas o estudo sugere que todas as mutações necessárias para contaminar um mamífero poderiam acontecer em um único hospedeiro na natureza. Isso, sim, sinaliza um risco de pandemia.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Brasil tem a maior área de rodolitos do mundo Pesquisa pode levar a novo tratamento contra a dengue

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: