Peixe-robô que detecta poluição é testado no mar

23/05/2012 at 7:08 PM Deixe um comentário

Estadão – Da Reuters

Instrumento foi projetado para nadar como os peixes reais e equipado com sensores para encontrar poluentes que vazaram de navios ou dutos submarinos

Um ‘peixe-robô’ desenvolvido por cientistas europeus para melhorar o monitoramento da poluição na água deixou o laboratório e foi levado ao mar para um teste no porto de Gijón, no norte da Espanha, nesta terça-feira, 22.

Os desenvolvedores esperam que a nova tecnologia, que reduz o tempo necessário para se detectar poluentes de semanas para segundos, seja vendida para autoridades portuárias, companhias que atuam com águas, aquários e qualquer pessoa com interesse em monitorar a qualidade da água.

O robô também pode ter versões para limpeza de vazamentos de petróleo, segurança subaquática, monitoramento de mergulhadores ou busca e salvamento no mar, disseram.

O peixe, que tem 1,5 metro de comprimento e custa atualmente 20.000 libras (31.600 dólares), é projetado para nadar como os peixes reais e equipado com sensores para encontrar poluentes que vazaram de navios ou dutos submarinos.

Eles nadam independentemente, coordenados um com o outro, e transmitem suas leituras para uma estação terrestre a até um quilômetro de distância.

“Os sensores químicos colocados no peixe permitem análise em tempo real, in loco, em vez do método atual de coleta de amostras e envio para um laboratório na costa”, disse Lucas Speller, um cientista da consultoria britânica BMT Group, que liderou o projeto.

O peixe pode evitar obstáculos, comunicar-se com os outros robôs, mapear onde eles estão e saber como voltar para a base quando a vida útil da bateria de oito horas estiver acabando, segundo seus criadores.

Após os testes desta semana, a equipe vai avaliar modificações necessárias para colocar o peixe em produção comercial, o que eles esperam que reduza o custo de cada unidade.

O desenvolvimento do projeto foi cofinanciado pela UE e teve participação da Universidade de Essex e da Universidade de Strathclyde na Grã-Bretanha, no Instituto Nacional Tyndall, da Irlanda, e da Thales Safare, uma unidade do maior grupo eletrônico de defesa da Europa, o Thales , que foi responsável pela tecnologia de comunicação.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Grande dinossauro predador viveu na Patagônia argentina Degradação florestal contribui para transmissão da febre maculosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: