Anti-matéria capturada por 16 minutos

07/06/2011 at 7:02 PM Deixe um comentário

Cientistas ampliam tempo de captura de átomos de antimatéria

O Globo

Cientistas do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern) ampliaram para até cerca de 17 minutos o tempo que conseguiram capturar átomos de antimatéria, que é aniquilada quando entra contato com a matéria “comum” de nosso Universo. O grupo, que no ano passado havia conseguido capturar pela primeira vez , por apenas alguns milissegundos, moléculas de anti-hidrogênio em uma armadilha magnética, agora estendeu o período de vida delas em 5 mil vezes.

O tempo maior de aprisionamento do anti-hidrogênio vai permitir aos cientistas estudar com mais detalhes as propriedades destas estranhas moléculas, compostas por um anti-próton, isto é, um próton com carga elétrica negativa, e um pósitron, um elétron com carga positiva. Isso pode ajudar a explicar por que nosso Universo parece ser composto exclusivamente por matéria comum, embora as teorias atuais apontem que o Big Bang teria de ter produzido quantidades iguais de matéria e antimatéria. Já que a natureza não faz distinção entre os dois tipos de matéria, que se anulariam e deixariam para trás um Universo “vazio”, a razão disso não ter acontecido permanece como um dos grandes mistérios da ciência.

– Para realizar estes estudos, certamente ajuda ter mais átomos e melhorar sua captura – disse Jeffrey Hangst, um dos cientistas envolvidos no experimento, em entrevista à BBC. – No ano passado, anunciamos a captura de 38 átomos. Agora, estudamos cerca de 300 que foram mantidos por diferentes períodos de tempo.

Um das teorias para explicar a falta de antimatéria no nosso Universo é que ela reagiria de forma diferente a campos gravitacionais, talvez até com um tipo de anti-gravidade, em que, no lugar de se atraírem, as massas de antimatéria se repeliriam. Para verificar isso, no entanto, os cientistas terão que mais anti-hidrogênio e mantê-lo por ainda mais tempo.

– A questão é muito simples: a matéria e antimatéria obedecem às mesmas leis da física? – contou Hangst. – É uma pergunta simples, mas muito profunda. Sabemos que alguma coisa está faltando no nosso atual modelo padrão de como o Universo funciona, mas simplesmente não sabemos o que é. Assim, toda vez que você tiver antimatéria em mãos deve observá-la com cuidado para ver se acha algo diferente.

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Os mais pesados Celular e radiação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: