Que frio!

14/02/2011 at 4:17 PM Deixe um comentário

Temperaturas abaixo do zero absoluto podem ser alcançadas

Inovação Tecnológica com informações da New Scientist  

A relatividade do zero absoluto

Zero ABSOLUTO é um termo que impressiona.

Soa como um limite inviolável, além do qual é impossível pensar em qualquer experimento.

Mas, na realidade, há um estranho reino de “temperaturas negativas absolutas”, abaixo do “zero absoluto”, que não só são previstas pela teoria, como também já se mostraram alcançáveis na prática.

Agora, cientistas acreditam ter encontrado uma maneira melhor de ultrapassar esse absoluto.

Se eles estiverem corretos, experimentos poderão revelar novos estados da matéria em um futuro muito próximo – dentro de mais ou menos um ano.

Entropia

A temperatura é definida pela forma como a adição ou a remoção de energia afeta a quantidade de desordem, ou entropia, em um sistema.

Para os sistemas nas temperaturas positivas com as quais estamos acostumados, o acréscimo de energia aumenta a desordem: aquecer um cristal de gelo vai fazer com que ele se derreta em um líquido mais desordenado, por exemplo.

Continue a remover energia e você vai chegar cada vez mais perto do zero na escala absoluta, ou escala Kelvin, estabelecido em -273,15 ° C, onde a energia do sistema e a entropia estarão no mínimo.

Temperaturas absolutas negativas

Sistemas de temperatura negativa – entendidas como abaixo do zero absoluto – têm comportamento oposto: acrescentar energia reduz sua desordem e, portanto, sua temperatura.

Mas eles não são frios no sentido convencional de que o calor irá fluir para eles a partir de sistemas com temperaturas positivas.

Na verdade, os sistemas com temperaturas absolutas negativas têm mais átomos em estados de alta energia do que é possível mesmo nas mais elevadas temperaturas na escala das “absolutas positivas”.

Assim, o calor deve sempre fluir deles para os sistemas acima de zero Kelvin.

Como criar temperaturas abaixo do zero absoluto

Criar sistemas de temperatura negativa para estudar as propriedades desse mundo bizarro, contudo, pode ser complicado.

Não dá para criá-los de maneira suave e contínua, sempre baixando a temperatura, já que não será possível romper a barreira do zero absoluto da maneira usual.

Mas é possível saltar sobre essa barreira, passando diretamente de uma determinada temperatura absoluta positiva – acima do zero absoluto – para uma temperatura absoluta negativa – abaixo do zero absoluto.

Isso já foi feito em experimentos nos quais núcleos atômicos foram colocados em um campo magnético, sob o qual eles agem como minúsculos ímãs, alinhando-se com o campo.

Quando o campo é subitamente revertido, os núcleos ficam momentaneamente alinhados na direção oposta àquela que corresponde ao seu menor estado de energia.

Na fração de tempo em que permanecem nesse estado fugaz, eles se comportam de forma coerente com a de um sistema com temperaturas absolutas negativas. Logo, contudo, eles se viram e se realinham com o campo.

Experimento para superar o zero absoluto

Como os núcleos só podem alternar entre dois estados possíveis – paralelo ao campo ou oposto a ele – este set-up oferece poucas possibilidades para investigação.

Em 2005, Allard Mosk, atualmente na Universidade de Twente, na Holanda, idealizou um experimento que poderia oferecer mais possibilidades de estudos do regime de temperaturas negativas.

Primeiro, lasers são usados para agrupar os átomos até formar uma bola muito coesa, que estaria em um estado altamente ordenado, ou de baixa entropia.

Outros lasers são então disparados sobre a bola de átomos para criar uma matriz de luz, a chamada grade óptica, que circundaria a bola de átomos com uma série de “poços” de baixa energia.

O primeiro conjunto de lasers é então reajustado de modo que eles passam a tentar desconstruir a bola de átomos.

Isso deixa os átomos em um estado instável, como se estivessem equilibrados no pico de uma montanha, prestes a rolar ladeira abaixo.

A grade óptica funciona como uma série de fendas ao longo da montanha, travando a “descida” dos átomos montanha abaixo.

Neste estado, remover parte da energia potencial dos átomos, levando-os a rolar e se distanciar uns dos outros, levaria a uma maior desordem – a exata definição de um sistema de temperaturas absolutas negativas.

Testando as temperaturas absolutas negativas

Agora a ideia de Mosk foi refinada por Achim Rosch e seus colegas da Universidade de Colônia, na Alemanha.

A nova proposta de experimento é essencialmente a mesma, mas os cálculos de Rosch e sua equipe dão mais fundamento à ideia, sustentando que ela é realmente factível.

O grande avanço, contudo, é que eles sugerem uma maneira de testar se o experimento realmente produzirá temperaturas negativas absolutas.

Como os átomos no estado de temperaturas negativas têm energias relativamente altas, eles deverão se mover mais rapidamente quando liberados da armadilha do que ocorrerá com uma nuvem de átomos com temperatura positiva.

“O novo trabalho mostra que atingir temperaturas negativas desse modo no laboratório é algo realístico,” afirma o próprio Mosk, que não está envolvido neste novo estudo. “Isso é algo que eu ficaria muito entusiasmado em ver.”

Surpresas à frente

Rosch e seus colegas são físicos teóricos, não estando preparados para realizar o experimento que propõem.

Mas eles acreditam que uma equipe de experimentalistas poderia testar sua proposta dentro de um ano ou pouco mais.

“Pode-se usar isto para estudar e criar novos estados da matéria e jogar com eles em regimes nos quais não estamos acostumados,” disse Rosch.

Segundo ele, contudo, este é um território desconhecido, nunca antes mapeado, com grande potencial para revelar surpresas.

 Mais Notícias:

Dia dos namorados: o amor entre a sonda e o cometa

Retrato da destruição

Antropologia é ciência?

 

Descoberta evidência transferência de DNA humano para bactéria

Processo evolutivo recente da batéria que provoca a gonorreia pode ter consequências em sua habilidade de adaptação aos seres humanos

Estadão

SÃO PAULO – Pesquisadores norte-americanos descobriram pela primeira vez evidências de transferência direta de fragmentos do DNA humano para o genoma da bactéria que provoca a gonorreia, a Neisseria gonorrhoeae. O estudo, publicado nesta segunda-feira, 14, revista mBio, descreve o que parece ser um evento recente da evolução dessa bactéria.

A descoberta sugere que a gonorreia tem a habilidade de adquirir DNA de seu hospedeiro para desenvolver novas cepas de si mesma, mas ainda é incerto se esse evento proporcionou uma vantagem evolutiva para a bactéria, segundo os cientistas.

Segundo os pesquisadores, essa descoberta é significativa por mostrar que as espécies podem dar grandes passos evolutivos quando conseguem “pegar” pedaços de DNA de outras espécies. Nesse caso, como a bactéria conseguiu pegar um pedaço do DNA de seu hospedeiro, isso pode ter diversas consequências em relação a quão bem ela pode se adaptar nos humanos.

A transferência de genes foi descoberta quando as sequências genômicas de diversas bactérias foram isoladas e três de 14 desses pedaços isolados continham sequências onde as bases de DNA eram idênticas a um elemento encontrado em humanos. Os pesquisadores sequenciaram esses trechos para confirmar que eram idênticos ao humano. A pesquisa também descobriu que essa sequência humana estava presente em cerca de 11% das culturas de bactérias estudadas.

Os pesquisadores também procuraram DNA humano na bactéria que causa a meningite, a Neisseria meningitidis, por ser muito similar à gonorreia, mas não encontraram nada. O que sugere que esse é um evento evolutivo muito recente. Segundo os pesquisadores, o próximo passo agora é compreender o que esse trecho de DNA humano realiza.

Os cientistas já tinham conhecimento do processo de transferência de DNA ocorrendo entre bactérias diferentes e entre bactérias e células de levedura, mas entre bactérias e DNA humano era um processo ainda desconhecido.

A descoberta oferece informações sobre a evolução da bactéria assim como sua habilidade de continuamente se adaptar e sobreviver em seus hospedeiros humanos. A gonorreia, que é transmitida pelo contato sexual, é uma das doenças mais antigas conhecidas e uma das poucas exclusivamente humanas.

 Superarroz imune ao aquecimento

Cientista do dia:

Isaac Newton

Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Cuidado com o que você come (ou bebe) O Crômio e o amarelo desaparecido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Paideia

Seu encontro semanal com a cultura científica. Todas às 3ª feiras, às 18h, na Rádio UFSCar 95,3FM para São Carlos - SP ou www.radio.ufscar.br para o mundo!

@clickciencia

Podcasting

Faça o download do podcasting do Paideia

Edições anteriores


%d blogueiros gostam disto: